EDITORIAIS

As notícias, informações, dicas e opiniões com a qualidade dos melhores profissionais!

1/1

ABAIXO O POVO BRASILEIRO


"Confirma-se pela enésima vez aquilo que venho dizendo há anos:1 a maioria absoluta dos brasileiros, especialmente jovens, é um eleitorado maciçamente conservador desprovido de representação política, de ingresso nos debates intelectuais e de espaço na “grande mídia”. É um povo marginalizado, escorraçado da cena pública por aqueles que prometeram abrir-lhe as portas da democracia e da participação. Enquanto as próximas eleições anunciam repetir a já tradicional disputa em família entre candidatos de esquerda, mais uma pesquisa, desta vez realizada pela Universidade Federal de Pernambuco, mostra que, entre jovens universitários, 81% discordam da liberação da maconha e 76% são contra o aborto. “É um comportamento de aceitação das leis... a gente vê a religião influenciando muito a vida dos jovens”, explica o coordenador da pesquisa, Pierre Lucena, na notinha miúda, quase confidencial, com que O Globo, a contragosto, fornece a seus leitores essa notícia abominável.* N a Folha de S. Paulo, no Estadão e no Globo, quem quer que pense como esses jovens — ou seja, o eleitorado nacional quase inteiro — é considerado um extremista de direita, indigno de ser ouvido. Nas eleições, nenhum partido ou candidato ousa falar em seu nome. A intelectualidade tagarela refere-se a eles como a uma ralé fundamentalista, degenerada, louca, sifilítica. Qualquer político, jornalista ou intelectual que fale como eles entra imediatamente no rol dos tipos excêntricos e grotescos, se não no dos culpados retroativos pelos “crimes da ditadura”, mesmo se cometidos quando o coitado tinha 3 anos de idade. Nunca o abismo entre a elite falante e a realidade da vida popular foi tão profundo, tão vasto, tão intransponível. Tudo o que o povo ama, os bem-pensantes odeiam; tudo o que ele venera, eles desprezam; tudo o que ele respeita, eles reduzem a objeto de chacota, quando não de denúncia indignada, como se estivessem falando de um risco de saúde pública, de uma ameaça iminente à ordem constitucional, de uma epidemia de crimes e horrores jamais vistos"


(Olávo de Carvalho; Diário do Comércio, 24 de agosto de 2009; Trecho do livro O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota)

Camilo First

Fone: (41) 9 9867-5934

camilofirst@yahoo.com.br